Posts

Medição individualizada de água podem ajudar o Brasil a ser mais sustentável

 

Soluções tecnológicas de medição individualizada e dispositivos de redes inteligentes podem ajudar o País a melhorar o gerenciamento da distribuição e o consumo de água no médio e longo prazo.

Um novo estudo do Instituto Trata Brasil aponta que os impactos das mudanças climáticas e do desenvolvimento econômico e demográfico vão fazer com que a demanda por água potável cresça 43,5% por cento até 2040 em todo o Brasil.

Segundo o relatório do estudo, o consumo no território nacional deve atingir 14,299 bilhões de m³ em 2040, o que representa um aumento de 2,837 bilhões de m³ se comparado a 2017.

O estudo foi criado para preparar as gestões pública e privada para melhor projetar a utilização da água durante as próximas décadas, uma vez que se trata de um recurso cada vez mais escasso.

Dados de 2018 do SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento) mostram uma situação preocupante no uso da água no Brasil: 40% da água potável é perdida por conta de vazamentos e falta de precisão na medição, gerando um custo de R$ 12 bilhões por ano para o setor.

Medição individualizada da água como solução para o futuro
Tecnologias de medição individualizada são hoje opções disponíveis para a economia e o consumo inteligente do recurso e podem ser implementadas tanto no segmento corporativo quanto no doméstico.

No caso do mercado corporativo, o maior interesse pela medição individualizada pode atender duas demandas: otimização de custos e pela necessidade de conhecer o perfil do consumo de água do negócio e, assim, gerenciar o uso e combater o desperdício ao mesmo tempo.

Com o sistema é possível monitorar todo o setor produtivo da indústria e saber, em detalhes, qual o consumo em cada etapa da operação. Os resultados permitem ao empresário melhorar os processos, reduzir o desperdício no uso de água, ter maior controle e, como resultado final, além de benefícios ambientais, diminuir os custos de fabricação do produto.

No mercado doméstico, com a instalação de um moderno medidor que permite a leitura individualizada do gasto com água nos apartamentos em um prédio ou condomínio, a conta passa a não ser mais conjunta e cada condômino paga exatamente o valor da água consumido. A tecnologia pode ser instalada também em residências e permite ainda identificar vazamentos que podem ocorrer à noite, o que evita o desperdício e custos extras.

Redes inteligentes para as concessionárias de água
Visando melhorar a eficiência da distribuição da água nas cidades, existem hoje soluções tecnológicas chamadas de smart water.

A tecnologia visa promover a sustentabilidade e aumentar a eficiência no sistema de distribuição de água de concessionárias e com isso evitar o desperdício nas adutoras.

Por medição remota, ela permite controlar e atuar em todo o fluxo de distribuição de acordo com a operação da concessionária, de forma integrada, sendo inclusive possível acompanhar eventuais vazamentos e desperdícios em tempo real.

“Já se percebem reduções de custos significativas com o uso dessa tecnologia mundo afora. Essa economia pode ser revertida em melhorias na rede ou mesmo na redução de valores de alguns serviços”, afirma Octavio Brasil, Gerente da CAS Tecnologia.

 

 

No Dia Mundial da Água (22 de março), essa tecnologia pode ser uma alternativa contra o desperdício.

Embora seja naturalmente renovável, a água potável do planeta é um recurso finito. O brasileiro consome em média 154 litros de água diariamente – 44 litros acima do recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Em tempos de escassez é necessário o uso consciente da água e a preservação do meio ambiente. Atualmente o processo tecnológico de medição individualizada é uma das melhores alternativas para atender as duas frentes dessa questão: a necessidade de abastecimento dos grandes aglomerados urbanos e a preservação de nascentes, rios e reservatórios.

Leia mais

Cai o volume de água no Sistema Cantareira em São Paulo

O nível do Sistema Cantareira, um dos mais importantes reservatórios de abastecimento de água de São Paulo, começou a preocupar. O volume caiu para 44,5% da capacidade do manancial. O cenário chama a atenção de especialistas, por conta do risco de uma nova crise hídrica.

Leia mais

Marco Aurélio, Gerente de Novos Negócios da CAS Tecnologia, fala sobre a solução de Medição Individualizada. 

Por: Renata Theodoro

Consumidor de energia elétrica deve ficar atento para não pagar mais

Por: Raquel Gomes

Falta de informação induz ao desperdício de água

Com a crise de abastecimento que atinge o estado de São Paulo, a busca por alternativas que reduzam o desperdício do recurso passou a fazer parte da vida dos consumidores. Contudo, a falta de informação pode ser uma vilã nesse processo. É o caso dos condomínios, que têm um consumo mais elevado e o motivo é desconhecido por muitos. Um banho de 15 minutos com o chuveiro aberto consome, em média, 135 litros de água em casa e mais de 240 litros em apartamento. Mas por que essa diferença tão grande?

Leia mais